domingo, 15 de abril de 2012

Peça dirigida por Jô Soares abre a Mostra de Sertãozinho

O Libertino, de Eric-Emmanuel Schmitt
Adaptação e Direção de Jô Soares
com Cassio Scapin, Luciana Carnieli, Luiza Lemmertz, Erica Montanheiro,Tânia Casttello e Daniel Warren
Dirigido por Jô Soares, Cassio Scapin é O Libertino, de Eric-Emmanuel Schmitt, um dos maiores nomes da dramaturgia contemporânea, que se inspirou no filósofo francês Diderot (1713 – 1784) para compor essa comédia que oferece, de maneira não acadêmica,  divertida e envolvente introdução ao pensamento filosófico.

A adaptação de Jô Soares mantém os diálogos elaborados com as mesmas ação e fluidez presentes na obra, apresentando questões relevantes como: conduta moral, ética, sexo, amor, relações de poder. O texto nos permite divagar divertidamente por essas questões. “Assim que li O Libertino, fui logo atraído pela riqueza dos personagens e pela inteligência e humor do texto”, diz Jô Soares.
Essa comédia preenche uma lacuna onde humor e informação, diversão e cultura se encontram em uma obra que não se destina ao simples entretenimento. Retoma uma das funções da comédia, que é fazer pensar e discutir a condição do homem frente às questões morais e éticas da sociedade onde se encontra inserido!
Em O Libertino, Denis Diderot, um dos ícones do pensamento na França do século XVIII, se retira para descanso num castelo na área rural de Paris, onde de urgência é solicitado para que escreva o verbete: Moral, para “A Enciclopédia”, obra que já vem se dedicando há muito tempo.
Além da divertida manipulação de conceitos e ideias, na peça vê-se outra característica importante da personalidade do filósofo: sua atração pelas mulheres.
Segundo Eric-Emmanuel Schmitt, O Libertino é a mais alegre de suas peças. “Um texto escrito numa primavera para celebrar a primavera”. Seu personagem principal, o filósofo Denis Diderot, que viveu de 1713 a 1784, é considerado, junto com Voltaire, um dos intelectuais precursores da Revolução Francesa. Muitos o julgam pioneiro da filosofia anarquista, devido ao seu pensamento de desprezo sobre a nobreza e o clero.
Cassio Scapin resolveu produzir O Libertino assim que assistiu uma leitura dramática no ano de 2008 em Paris. “Assim que me deparei com o texto, fiquei fascinado com a inteligência e o humor ali presentes e percebi que seria um personagem ótimo para um ator na minha idade, e um assunto interessante de discutir, além de uma excelente comédia que alia inteligência, informação e elegância”, conclui o ator

3 comentários:

  1. Ótimas notícias ... Por favor, gostaria de saber se vocês já tem a programação da MOSTRA.

    Obrigado

    Jader

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda em fechamento, Jader.

      Excluir